Ouça o diálogo cabuloso do PCC completo


Na sexta-feira (09) fomos surpreendidos com um vídeo, veiculado pela Tv Record em que o tesoureiro do PCC (Primeiro Comando da Capital) revela que na época do PT era mais fácil porque “o PT tinha diálogo com nóis cabuloso”.

O áudio, obtido pela equipe de reportagem do Estadão, é proveniente de uma interceptação telefônica da Operação Cravada, que visa a cúpula financeira da facção. As insatisfações dos participes da organização criminosa são a falta de diálogo com o partido e o isolamento da liderança. “Que nem dá para conversar pelo telefone”.

As conversas, interceptadas pela Polícia Federal, criticam o Ministro da Justiça Sérgio Moro, foram gravadas no mês de abril e a operação visa o núcleo financeiro da organização, responsável por recolher e gerenciar as contribuições para a organização em âmbito nacional.

 

Para dificultar o rastreamento do dinheiro, os pagamentos, chamados de ‘rifas’, eram repassados à organização criminosa por meio de diversas contas bancárias e de maneira intercalada, conforme informa o Estadão.

O diálogo, protagonizado por Alexsandro Roberto Pereira, conhecido como ‘Elias’ ou ‘Veio’. Ele atua como ‘Resumo da Rifa’ e tem poder de decisão e mando sobre os demais criminosos do PCC. Ele é um dos homens de posição hierárquica relevante na organização que foram transferidos para presídios federais.

O Estadão transcreveu parte do diálogo interceptado pela PF, onde Elias diz a Salim: “A gente sabe que esse governo que veio irmão, esse governo aí ô, os cara começou o mandato agora, irmão, agora que eles começaram o mandato, os caras têm quatro ano aí pela frente, irmão”.

 

“Os caras tão no começo do mandato dos cara, você acha que os cara já começou o mandato mexendo com nois irmão. Já mexendo diretamente com a cúpula, irmão. O… o… quem tá na linha de frente. Então, se os cara começou mexendo com quem estava na linha de frente, os caras já entrou falando o quê?”, afirmam.

 

O traficante passa então a criticar o ministro Sérgio Moro. “Com nois já não tem diálogo, não, mano. Se vocês estava tendo diálogo com outros, que tava na frente, com nois já não vai ter diálogo, não. Esse MORO aí, esse cara é um filha da puta, mano. Esse cara aí é um filha da puta mesmo, mano. Ele veio pra atrasar”.

 

A reportagem também revelou as ameaças que Salim proferiu ao saber que 134 presos em São Paulo foram isolados:

“ESSE VERME AI QUE ENTROU AI”, mano, ele veio para querer mostrar serviço, mano, pra querer falar que “COM ELE É DESSA FORMA”, e que “NAS OUTRA ADMINISTRAÇÃO TAVA TUDO ERRADO”. Então, eles tão vindo nesse caminho, de querer mostrar que tudo que os outros estavam fazendo tava errado. Então, pode ter certeza, meu amigo, esse “VERME” aí ele vai ô…primeiramente irmão: “MEXEU, NÃO TEVE UMA RESPOSTA, ATÉ AGORA NÃO TEVE UMA RESPOSTA AINDA!”. Os cara falou o quê? Falou: “oh mano, os cara não quer, não quer guerra”. Mas só que o… “A GENTE TEM QUE DESESTRUTURAR AS PEÇA CHAVE”. As peça chave que ele sabe que eles tem o tabuleiro quem é.

O tabuleiro que na qual o criminoso se refere é o estado de São Paulo, onde afirma que os esquemas estão centralizados no estado e finaliza a conversa revelando o alinhamento com o Partido dos Trabalhadores (PT):

“E que esse “MORO” aí mano, “ESSE CARA AI É UMA FILHA DA PUTA”, mano. Esse cara aí é um filha da puta mesmo, mano. Ele veio pra atrasar. “ELE JÁ COMEÇOU A ATRASAR O …QUANDO FOI PRA CIMA DO PT”. Pra você ver, o “PT COM NOIS TINHA DIÁLOGO! O PT TINHA UM DIÁLOGO COM NOIS CABULOSO”, mano, é porque é situações que não dá nem pra gente ficar conversando essas caminhada pelo telefone, mano. Mas o PT, ele TINHA UMA LINHA DE DIÁLOGO COM NOIS CABULOSA, mano”, afirma.

Leia a transcrição obtida pelo Estadão

 

 

A Operação já prendeu 28 pessoas e bloqueou 400 contas ligadas ao Primeiro Comando da Capital.

1 Comentário

  1. Avatar
    PAULO JOSE KUHNERT
    11 de agosto de 2019
    Responder

    Deve ter algo na nossa lei eleitoral que impugna partidos que têm envolvimento com o crime organizado? Se sim, adeus PTCC e Cia.

Deixe Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *